FRETE, PRODUTO E ENTREGA – O QUE É?

Tempo de leitura: 3 minutos

O processo de compra de um produto passa por algumas etapas já conhecidas pelos leitores do Adm sem Segredos. Ele se inicia no processo de decisão do consumidor e vai até o momento onde a compra é finalmente concretizada.

Mas e depois?

Se estamos falando de uma compra em uma loja física, o cliente pode retirar o seu produto no momento da compra e leva-lo para casa para poder consumi-lo ou utilizá-lo. Porém, se estamos falando de uma compra online é comum o consumidor ter de esperar alguns dias para receber seu produto em casa.

Esse período é justamente onde a mágica acontece e tema do nosso artigo de hoje… o Frete.

Frete… produto e entrega.

A logística da entrega de um produto passa por diversas fazes, dentre as quais:

  • Confirmação do pedido/compra.
  • Confirmação do pagamento pelo cliente.
  • Emissão de Nota Fiscal (NF).
  • Separação do produto em estoque.
  • Envio do produto para transportadora.
  • Transporte entre estoque e cliente.
  • Recebimento do produto.

Como você pode observar, todo esse longo processo é um grupo de ações individuais que passam às vezes por mais de um setor, ou até empresa, para levar determinado bem até seu consumidor final.

Mais do que tempo, o processo de entrega possui um custo para a empresa quando ela precisa de todo um pessoal especializado para a realização dos passos citados acima. Sendo assim, qual a melhor maneira de equalizar o valor gasto no processo de entrega versus o lucro por venda?

Pensando nisso, muitas empresas desenvolveram a prática de cobrar todo ou parte do valor de entrega do próprio cliente, a fim de transferir o ônus da entrega para o consumidor final, custeando a operação.




 

O frete é então um valor cobrado do próprio consumidor que arca com uma determinada quantia para acessar o produto que adquiriu através da compra à distância (correio, internet, catálogo, encomenda e etc.).

Quem deve pagar o frete?

Muitos consumidores hoje reclamam da cobrança de frete na entrega de seus produtos, tendo muitos dado preferência às empresas que não realizam a cobrança de frete, ou ainda, que cobram valores reduzidos para a entrega do produto baseado na localização do cliente ou no prazo em que ele deseja receber sua mercadoria.

Em teoria, quanto mais perto o cliente estiver do centro de distribuição da empresa, menor será o valor gasto pela companhia na entrega do produto e, portanto, menor será o valor do frete.

O mesmo vale para o tempo de entrega do produto. Se o pedido for urgente e demanda uma logística mais sofisticada de entrega, consequentemente os valores cobrados de frete serão maiores para atender a urgência da solicitação.

Em contrapartida, caso o cliente sinalize que não há um prazo definido para o recebimento do bem, tende-se a baratear os custos envolvidos na logística com o envio de diversos pedidos ao mesmo tempo para determinada localidade.

Se utilizando da teoria administrativa, temos hoje dois modelos principais de frete:

FOB (Free on Board):

Do termo em inglês, a tradução para FOB é “livre à bordo”, situação em que a empresa fornecedora transfere a responsabilidade dos custos envolvidos no transporte do produto/bem para seu cliente, devendo este arcar com quaisquer gastos.




 

CIF (Cost, Insurance and Freight):

Do inglês, Custo, Seguro e Frete, o modelo de cobrança de frete CIF responsabiliza a empresa fornecedora pela entrega do produto/bem assim como pelos custos envolvidos na operação, não onerando o cliente deste gasto.

O tipo de cobrança de frete em cada empresa fica à critério de sua administração de vendas, devendo levar em conta o tipo de produto que se vende, que mercados atua e quais são os clientes que possui em sua carteira de clientes.

Então é isso, agora que você conhece a definição de frete e quais seus tipos de cobrança, já pode realizar um estudo em sua empresa para saber se é mais vantajoso dar frete grátis aos seus clientes ou cobrar pela operação! Se gostou compartilhe com os amigos!

Até a próxima!

Deixe uma resposta