ENPOWERMENT – O QUE É? PARA QUE SERVE?

Tempo de leitura: 6 minutos

No passado, diversas empresas possuíam estruturas organizacionais extremamente burocráticas com os mais diversos níveis de funcionários. Para chegar a uma decisão, eram necessários inúmeros passos até a conclusão do problema, passando desde um simples analista até chegar ao presidente… uma extrema perda de tempo.

E o pior? Muitas empresas ainda hoje possuem uma estrutura similar, o que as deixa parada no tempo e em grande desvantagem em comparação com empresas que prezam pelo trabalho de equipe e a descentralização de poder.

Para falar dessas empresas, o artigo de hoje trata exatamente deste tema: empowerment. Vamos ao artigo!

Empowerment, todos ajudam!

Nas empresas do século XXI, um chefe deixou de ser aquele funcionário que mantinha todo o poder concentrado em si e apenas direcionava ordens aos demais subordinados. Hoje, chefe virou líder e equipe virou sinônimo de célula de trabalho, a qual direciona em conjunto todos os esforços para atingir os desafios estipulados.

Em uma estrutura baseada no empowerment, ou como é conhecido também, descentralização de poder, os funcionários de todos os níveis possuem alçadas para tomar suas próprias decisões sem que sejam necessárias diversas autorizações do coordenador, gerente, diretor e presidente, para tomar uma ação.

Nos modelos de empowerment cada funcionário é munido de informações advindas do alto escalão para que ele tenha total capacidade de exercer suas funções da maneira menos burocrática e mais assertiva o possível.

Mais do que a agilidade nos processos, delegar poder aos funcionários traz também à tona o espírito de equipe, envolvendo todos nas decisões da empresa e transformando cada colaborador em um pequeno “dono” da empresa.




 

Estudos demonstram que quando alguém se sente “parte do todo”, é muito mais fácil este funcionário se engajar nos planos da empresa e trabalhar com mais afinco, devido o sentimento de companheirismo e de “família” que se instaura na empresa.

Pontos de aplicação (teoria).

Para uma empresa aplicar de forma correta o empowerment em sua estrutura organizacional, esta deve seguir alguns passos, para que ao fim da implementação ela consiga ter uma estrutura flexível, ágil e eficiente.

A aplicação do novo modelo ou a troca do antigo visando à descentralização do poder deve ser feita de forma gradativa e baseada em pequenas aplicações, caso contrário, a empresa corre o risco de perder o controle sobre o que está sendo decidido pelos níveis inferiores e acabar com problemas em seu processo produtivo.

Os quatro princípios que devem ser levados em conta na construção de uma estrutura de poder descentralizada são:

a) Motivação:

Os funcionários devem se sentir parte da nova estrutura e perceber que suas ações fazem diferença no dia a dia da empresa. De nada adianta delegar poder a um funcionário e no fim do mês suas decisões serem ignoradas ou descartadas pela alta diretoria. Ele deve estar motivado com a posição que possui e perceber sua importância nela.

b) Desenvolvimento:

O que acontecerá com um funcionário que recebe o poder para tomar decisões importantes, porém não tem capacidade técnica para realiza-las? Simples… ele tende a falhar e se sentir desmotivado e desinteressado na sua tarefa.

A empresa deve treinar e capacitar seu quadro colaborativo caso queira ter “pequenos líderes” dentro de cada área que entendam a demanda da situação e possam aplicar de forma correta o poder que lhes foi delegado.

c) Poder:

Se você e sua empresa desenvolveram a equipe para que ela tenha autonomia, o poder dado a elas será com certeza bem aplicado. Delegar responsabilidades às pessoas certas é o melhor caminho para desburocratizar uma companhia e leva-la ao crescimento.

d) Liderança:

Por fim, dar liberdade aos funcionários para tomarem suas próprias decisões é dar a eles o papel de líder em seus departamentos, transformando-os em pequenos “donos” que pensam todos no mesmo objetivo: o desenvolvimento da empresa.

Pontos de aplicação (prática).

Após o conhecimento teórico de quais os pontos necessários para uma correta implementação da estratégia de empowerment, veremos abaixo como se dá o processo de troca de um poder centralizado para um compartilhado:

1- Regime centralizador (antigo):

 

2- Regime descentralizador (novo):

No primeiro modelo a empresa possui diversos níveis e tomar uma decisão envolve cada um deles de forma individual, lenta e burocrática. Já no segundo modelo, todos os setores da empresa são uma única célula viva que busca um único objetivo: o crescimento!




 

Para chegar a excelência do segundo modelo partindo do primeiro são necessárias três regras primordiais

a) Diminuir o número de níveis e subníveis: No empowerment todos opinam e todos participam.

b) Compartilhamento de dados e informações: No empowerment não existe a concentração de informação ou a exclusividade de acesso a determinados dados por uma parte da empresa. Para a mudança dar certo todos devem conhecer com maestria quais os processos da empresa e como eles funcionam.

c) Dar poder de fato: Como já dito anteriormente, de pouco vale dizer que um funcionário possui poder a autonomia para tomar uma decisão, mas na “hora H” ele é impedido de opinar e aplicar suas ideias no processo. Dizer uma coisa e não cumprir fere o princípio da Motivação.

Conclusão:

Como exposto no corpo deste artigo, uma empresa que quer crescer e superar seus concorrentes deve estar disposta a mudar seu modo arcaico de trabalhar, dando maior espaço e voz aos seus colaboradores.

As vezes, por deixar que os funcionários tenham maior autonomia, descobre-se uma nova ideia ou talento que estava reprimido pela burocracia e falta de contato com todas as áreas da empresa.

Se ainda resta alguma dúvida se o empowerment de fato funciona, basta observar as maiores empresas do mundo de tecnologia, as pioneiras neste tipo de estrutura organizacional, onde cada funcionário tem o poder de desenvolver seus próprios projetos contribuindo ao fim para uma empresa cada vez maior e melhor… vide Google, Apple, Microsoft e outras do ramo. Se gostou do artigo, não deixe de compartilhar com os amigos!

Até a próxima!

Deixe uma resposta