CPV, o Custo do Produto Vendido.

CPV, o Custo do Produto Vendido.

Compartilhe

Muitas empresas possuem faturamentos exorbitantes que crescem ano após ano, pagando elevados bônus aos seus funcionários da área comercial que não só batem as metas constantemente, mas também as ultrapassam com facilidade.

Tudo na área de vendas vai bem, mas quando chega o final do mês e o dono da empresa vai olhar a ultima linha da DRE (Demonstrativo de Resultado do Exercício), lá está um número negativo demonstrando que a empresa teve prejuízo.

Mês após mês ocorre a mesma situação com a empresa… as vendas crescem, o prejuízo aumenta a frustração permanece. Nessa hora o dono da empresa se pergunta “onde estou errando? Por que minha empresa não dá lucro?”.

Pode até parecer contraditório uma companhia com vendas em crescimento e prejuízo no final do exercício, mas isso ocorre com um elevado e perigoso número de empresas quando estas não tem um controle adequado sobre os custos operacionais de sua produção, sendo que às vezes a empresa gasta mais para produzir do que lucra em suas vendas.

Nesses casos, cabe à administração de custos analisar quais os pontos que estão impactando negativamente o resultado da empresa e desenvolver uma estratégia para que gastos desnecessários sejam corrigidos a fim de trazer um melhor desempenho à empresa.

No artigo de hoje, vamos falar de um dos pontos mais importantes na administração de custos, o Custo do Produto Vendido. Vamos ao artigo!

CPV ou CMV?

Não importa se é custo do produto vendido ou custo da mercadoria vendida que no fim são exatamente a mesma coisa, o que muda é somente o modo de escrever. O que importa na verdade é o que significa e qual a origem destas siglas.

Mas antes de continuarmos com o artigo, vamos definir o que é um custo e o que é uma despesa:

Custo: valor gasto pela empresa com vistas de um retorno financeiro sobre esse gasto como, por exemplo, o custo com matéria-prima, a qual a empresa irá empregar em sua produção para transformá-lo em um bem e poder vendê-lo.

Despesa: valos gasto pela empresa durante a atividade comum de suas operações, sendo estes gastos geralmente essenciais como despesas com telefone, despesas com funcionários e etc..

Posto isso, agora sabemos da onde vêm os custos: da atividade produtiva da empresa. Sendo assim, toda vez que a empresa produzir algo consequentemente ela terá gastos financeiros que implicarão em custos para ela. O segredo é administrar de forma ativa para que estes custos nunca superem o valor do preço que a empresa venderá seus produtos… e acredite, um monte de empresas não faz este controle.

Imagine a seguinte situação:

Uma empresa compra 100 Kg de madeira para produzir cadeiras de escola a um preço de R$ 500,00. Com esta quantidade de madeira a empresa consegue produzir exatamente 10 cadeiras novinhas. Levando em conta que o custo será rateado entre os bens produzidos, temos (só de madeira) um custo de R$ 50,00 por cadeira. Agora imagine que a empresa também tenha custos com pregos, parafusos, tinta, peças de montagem e mais alguns itens que somados dão um custo de R$ 85,00 por cadeira.

Levando em consideração somente estes custos, sabemos que o dono da fábrica de cadeiras deve vender cada cadeira por um preço acima dos R$ 85,00 que custou para produzir (chegamos enfim ao CPV).

Mas ai chegamos a um impasse! Eu certamente não sou o único fabricante de cadeiras no mercado e meus clientes irão buscar o menor preço pelos produtos que desejam adquirir. Digamos que um concorrente meu consiga fabricar cadeiras pelo CPV de R$ 75,00. Nessa conta eu estou em desvantagem, já que ele entrega o mesmo produto que o meu, porém com um preço de produção dez reais inferiores, o que possibilita que ele venda por um preço menor também, “roubando” os clientes de minha empresa.

Se eu for competir com meu concorrente agressivamente, vou começar a abaixar meu preço, mesmo que isso diminua ou zere meu lucro, mas pelo menos vou recuperar alguns clientes. Se eu mantiver meu preço reduzido por muito tempo, as chances de minha empresa não aguentarem a competição são altas e eu provavelmente irei fechar as portas da minha fábrica e pedir falência.

Mas Lívia… Não seria melhor então eu negociar com meus fornecedores custos melhores para que eu possa abaixar meu preço?

Bingo!! Você chegou à resposta correta!

Mas infelizmente um monte de empresas não tem controle sobre os custos que estão envolvidos em sua produção e, por isso, acabam perdendo dinheiro sem sequer saber a fonte de tanto prejuízo.

Para controlar esse tipo de gasto a empresa deve ter uma equipe contábil e administrativa de ponta que entendam tanto do processo produtivo da empresa como de ciências contábeis e a correta forma de contabilização dos custos para que se chegue a um CPV adequado para o tipo de empresa.

Para conseguir controlar seu CPV seguem algumas dicas:

– Registre tudo!

Uma empresa bem administrada é uma empresa que possui registro e controle sobre todas as suas tarefas. Para poder mensurar os valores exatos do seu CPV é de extrema importância que seus funcionários não deixem passar nenhum gasto com a compra de matéria-prima e insumos, caso contrário você estará contabilizando um valor menor do que o real e consequentemente subestimando os seus gastos com a produção, dando a impressão de um falso lucro.

– Como são os seus estoques?

Você sabia que manter estoques gera custos? Pois é… gera sim e muitos! Manter tanto os produtos acabados como a matéria-prima para produção envolvem custos de armazenamento e de cuidados como refrigeração em produtos perecíveis, portanto a empresa deve manter os seus estoque em ótimas condições para evitar gastos maiores com perdas e produtos que estragam.

Gerencia sua equipe de compras.

A área de compras, responsável pela compra de matérias primas para a produção, é um importante aliado no controle de seu CPV uma vez que o processo começa por eles. Realize uma gestão minuciosa em sua equipe para que eles estejam prontos para buscar o melhor produto pelo menor preço e, se necessário, mudar de fornecedores sempre que for vantajoso.

Treine os funcionários que participam da produção.

Muitos funcionários não estão 100% preparados ou motivados para realizar a produção de forma mais assertiva sem desperdício de matéria-prima, por isso é importante treiná-los e engajá-los. Lembre-se: quanto mais material for desperdiçado, mais custo a empresa terá e consequentemente maior será meu gasto com o CPV, o que encarece meu produto e diminui o meu lucro.

Então é isso! Agora que você sabe o que é um CPV e como gerenciá-lo não tem mais desculpas para sua empresa dar prejuízo.

Se gostou não deixe de compartilhar com os amigos. Até a próxima.

Compartilhe
Artigo anteriorAdministração Científica
Próximo artigoAdministração mercadológica, o que é?
Formada em Comunicação Social com habilitação em Rádio e TV, sempre se encantou com diversas formas de comunicação através das mais diversas mídias sociais. Atualmente cursando sua segunda graduação em Adminstração, procura conciliar ambas as áreas em busca de um novo modelo para realizar a gestão dos novos moldes de empresas do século XXI.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta