Como a personalidade de um gestor pode impactar na sua administração de...

Como a personalidade de um gestor pode impactar na sua administração de equipes?

Compartilhe

Quando o assunto é administração de uma equipe, muitos profissionais encontram desafios a serem enfrentados no dia a dia do ambiente de trabalho. Lidar com dados, números e documentos podem ser tarefas complicadas, mas ter que se adaptar e coordenar pessoas, suas diferenças e motivação ainda é uma das principais preocupações de grandes gestores.

No campo da administração, a gestão de pessoas, também conhecida como a administração de recursos humanos, exige do profissional muita sabedoria, algumas habilidades especiais e técnicas e políticas claras. No final, o objetivo é administrar os comportamentos internos e potencializar o capital humano na organização.

Quando um administrador também é responsável pela gestão do pessoal e escolha das ações que vão influir na formação dos profissionais, os programas de treinamento com o objetivo de desenvolver e agregar para o crescimento da instituição e do próprio profissional são uma peça-chave no aumento de performance de toda a imprensa.

O capital humano tem sido, graças a percepção dos gestores do seu papel na produtividade dos resultados, cada vez mais valorizado pelas organizações. Assim, elas entenderam que devem oferecer o suporte necessário para que todos os profissionais, de todos os setores, desenvolvam novas aptidões e aperfeiçoem características que já possuem.

Enquanto administra o negócio, também é papel de um gestor selecionar, treinar, estimular e acompanhar os membros de uma equipe a atingirem as metas definidas pela organização e dar atenção aos indicadores de desempenho, responsáveis por medir os resultados do trabalho. Isso significa que seu sucesso está diretamente relacionado a forma como o administrador pensa e se comporta com a sua equipe.

Ninguém nunca disse que ser um administrador era tarefa fácil. Para ser um gestor de equipes é necessário estar o tempo todo focado nos resultados e, ao mesmo tempo, saber liderar e orientar grupos de colaboradores que nem sempre tem as mesmas motivações. Um bom gestor deve ser especialista na sua área, saber como comandar e estimular as pessoas relacionadas ao processo e ainda estar alinhado com os objetivos da empresa e de olho na concorrência, mantendo o equilíbrio entre estes elementos.

Sem dúvida alguma, a forma como o administrador pensa e como escolhe agir em frente a sua equipe pode impactar nos resultados e engajamento dos funcionários. Algumas competências que devem ser intrínsecas ao papel do gestor são: saber ouvir sua equipe, não apenas superficialmente, e abrir canais de comunicação com todos os membros garante o feedback e melhoria constante do processo; saber reconhecer e parabenizar o sucesso de outros, sejam eles seus parceiros, superiores ou funcionários, tem o poder de estimular e motivar os profissionais  em direção aos resultados; ter a habilidade de lidar com suas emoções e não deixar que momentos de crise ou dificuldades mudem sua forma de lidar com o trabalho.

O equilíbrio emocional é, também, uma das principais forças e dificuldades de grandes administradores. Quando tudo corre bem, os resultados batem com o planejamento e a sua equipe consegue atingir os objetivos esperados, é bem mais fácil manter o bom relacionamento com a equipe. No entanto, quando as coisas começam a sair dos trilhos e o time não tem mais o mesmo desempenho, é comum que o clima de estresse tome conta dos funcionários. É aí que entra o administrador. Por meio da sua força e competência, ele deve administrar as expectativas e unificar as pessoas em torno dos resultados.

O problema é quando o gestor não quer ou não consegue adaptar sua forma de administração com o perfil de trabalho da sua equipe. Há muito tempo está ultrapassada a ideia de que o gerente Pitbull, aquele que pressiona os colaboradores para aumentar a sua produtividade sem se preocupar em entender o outro lado, seja uma técnica eficaz a ser usada pelos administradores. Isso porque, a longo prazo, a medida surte o efeito contrário, gerando desânimo, frustração e sensação de incapacidade nos trabalhadores.

Cabe ao administrador ser um líder, apresentar um comportamento positivo e gerir as pessoas em direção ao melhor modelo de trabalho, sempre levando a personalidade individual de cada membro da equipe em consideração. Nada pior do que um líder desmotivado para uma equipe que já não está acreditando na produtividade do seu trabalho.

Entre os papéis de uma boa liderança está o de manter a motivação do colaborador em todos os momentos. O caminho é buscar um equilíbrio entre a realidade e o otimismo, o que não significa ignorar os problemas, mas oferecer à equipe a capacidade de ultrapassar essas dificuldades com perspectivas reais.

Plataformas de gestão da produtividade do time de vendas, como a SaleSIM, podem ajudar gestores de equipes a acompanhar todos os resultados, mesmo a distância, e oferecer ferramentas efetivas para aumentar a performance. O SaleMONITOR oferece a possibilidade de administrar as tarefas diárias e desempenho da equipe de qualquer lugar, oferecendo feedback de qualidade e alcançando os resultados. Mais informações você encontra no nosso site ou blog com dicas de vendas.

Compartilhe
Artigo anteriorA arte de escutar os outros.
Próximo artigoAdministradores - O que faz um administrador de empresas?
Formada em Comunicação Social com habilitação em Rádio e TV, sempre se encantou com diversas formas de comunicação através das mais diversas mídias sociais. Atualmente cursando sua segunda graduação em Adminstração, procura conciliar ambas as áreas em busca de um novo modelo para realizar a gestão dos novos moldes de empresas do século XXI.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta